Exibindo 1–12 de 95 resultados

AGENTE 19

R$ 50,00

[…] há algo a aprender com o fato de que o sentido
escape. Não escapa só porque sejamos tolos. A fuga
tem a ver com o que é o sentido. Escapar, fugir, é a
maneira de ser própria do sentido.

[…] parece-me que a aposta de Lacan neste texto é
dizer que a fuga do sentido, seu escapismo, é um
real. Podemos tocá-lo, mas não logramos sua fuga.
Há um real quando há resistência, algo impossível
de mudar. Associamos a ideia, o sentido de real, com
a imobilização, com estar em um ponto e não se mover.
Mas aqui, o que não muda é a fuga, a fuga é uma
coisa imóvel e inamovível: é um real. Parece-me que
o esforço de Lacan é pensar o real a partir da fuga,
dessa fuga. A fuga é o real do sentido. É a maneira
como experimentamos na linguagem o impossível
da relação com o sentido. Nós o experimentamos
através disto que não se capta, que não se deixa fixar.

[…]

[…] A fuga do sentido demonstra a função do “não-
-todo” na linguagem.

Miller, J.-A. Sobre a fuga do sentido (1994).

CORREIO 84

R$ 40,00

« Neste ano atípico, em que nossas vidas se agitaram e ainda se agitam com uma mudança imposta e aparentemente irreversível, seguimos nosso trabalho, tentando subjetivar, da melhor forma possível, os efeitos que se produzem. As relações sociais mudaram, nossa prática também foi forçada a mudar. Em um futuro próximo será possível dizer, espera-se, quais as decorrências, para a própria psicanálise, desse turbilhão que ainda nos atinge em cheio.

É desse modo que Correio 84, « Corpos que contam », se insere na cena da psicanálise: recolhendo traços e esboços de reflexões sobre como estão as coisas e como poderão vir a ficar; não há como fugir desse debate. »

Teresinha N. M. Prado.

OPÇÃO LACANIANA Nº 21

R$ 25,00

Este número de Opção Lacaniana online nova série inicia tratando a questão da formação na Escola no notável texto de Jacques-Alain Miller, Teoria de Turim sobre o sujeito da Escola, quando apresenta uma perspectiva inédita do paradoxo da Escola e a aposta de Lacan: a de que seja possível uma comunidade entre sujeitos que sabem, por sua própria análise, o que é o Ideal e o que é a solidão subjetiva, constituindo a Escola não como um grupo, mas um coletivo de sujeitos solitários.

Na sequência, prestamos homenagem à falecida Marcia Mello de Lima, Membro de Escola da EBP, que promoveu, com seu estilo, um trabalho discreto, porém eficaz, de laço entre a transmissão da psicanálise na Escola e seu ensino formal na universidade. Seu texto demonstra que a Universidade e a Escola, em se tratando de psicanálise, não precisam ser consideradas, segundo o clichê, como instituições opostas e antagônicas. No artigo que publicamos, in memoriam, constatamos a clareza com que ela sustentava essa articulação difícil, porém necessária.

Outros textos relevantes dão brilho a esta edição. Dentre eles destacamos o de Miguel Bassols, O objeto (a)ssexuado, e o de François Ansermet, Paradoxos dos sinais discretos na psicose ordinária. O texto de Bassols nos ajuda a ler uma série de outros artigos que tratam das violências e paixões relativas ao objeto e ao gozo feminino, a devastação e algumas indicações valiosas sobre a prática da psicanálise em nossa época; já o texto de Ansermet nos direciona ao tema das psicoses que começamos a preparar para o Congresso da AMP em Barcelona (2018). Como não poderia faltar, às vésperas do XXI Encontro Brasileiro do Campo Freudiano em São Paulo sobre Adolescência, idade do desejo, vale a pena conferir o artigo A gente se vinga no Rock!

ARQUIVOS DA BIBLIOTECA 16

R$ 20,00

palavras-chave

cartel; poesia contemporânea; psicanálise e arte; sonho; teatro

CORREIO 82

R$ 34,99

As Ressonâncias dos Discursos.

“Vivemos em um mundo inteiramente Unheimlich” . O corpo, a tecnica, o judeu, a feminilidade, figuras do Unheimlichkeit que Jean-Luc Nancy convida alternadamente à sua reflexão, a fim de interrogar o mundo no qual vivemos. elas são o signo de uma época conturbada, que vê declinar a ordem simbólica, bala as relações sociais e “remodela os grandes aspectos da vida”? Da experiencia do estranho ao mais intimo – com o transplante, as figuras de alternidade rejeitadas pelo corpo social, o judeu, o feminino, do real do sexo ao incontrolável do Trieb.

Sale!

CORREIO 81

R$ 34,99

DESAFIOS DE LEITURA

O que pode querer dizer-nos esse fundamento histórico-politico a  não ser da possibilidade de saber ler sobre qual real se funda o que é hoje a psicanálise de “orientação lacaniana”…

A documentação recopilada dos arquivos de Jaques Lacan confirma as desavenças sobre as quis foram instituídas a fratura institucional, a formação do do analista e a pragmática da Psicanálise, e que constituíram seu principal fundamento…