AGENTE 19

R$ 50,00

[…] há algo a aprender com o fato de que o sentido
escape. Não escapa só porque sejamos tolos. A fuga
tem a ver com o que é o sentido. Escapar, fugir, é a
maneira de ser própria do sentido.

[…] parece-me que a aposta de Lacan neste texto é
dizer que a fuga do sentido, seu escapismo, é um
real. Podemos tocá-lo, mas não logramos sua fuga.
Há um real quando há resistência, algo impossível
de mudar. Associamos a ideia, o sentido de real, com
a imobilização, com estar em um ponto e não se mover.
Mas aqui, o que não muda é a fuga, a fuga é uma
coisa imóvel e inamovível: é um real. Parece-me que
o esforço de Lacan é pensar o real a partir da fuga,
dessa fuga. A fuga é o real do sentido. É a maneira
como experimentamos na linguagem o impossível
da relação com o sentido. Nós o experimentamos
através disto que não se capta, que não se deixa fixar.

[…]

[…] A fuga do sentido demonstra a função do “não-
-todo” na linguagem.

Miller, J.-A. Sobre a fuga do sentido (1994).

Comparar

Descrição

SUMÁRIO

9  EDITORIAL

Marcela Antelo

 15           FUGAS

17           Édipo, ponto de fuga

Lilia Mahjoub

25           Empuxo-à-mulher, impulso-em-direção-à-mulher, fuga-diante-da-mulher

Agnès Aflalo

45           A obscenidade do corpo e a fuga do sentido

Yves Vanderveken

51           A fuga no espelho

Alma Pérez Abella

 

55           SEMBLANTES

57           De um discurso que não seria semblante: Introdução à leitura do seminário 18 Dominique Laurent

65           O analista e os semblantes

Fátima Sarmento

73           A verdade, o verdadeiro e o real

Carla Fernandes

 

81           DISCURSOS

83           A recepção surrealista da boneca de Hans Bellmer

Antônio Teixeira

89           Campo lacaniano, o campo psicanalítico no mundo

Nora Pessoa Gonçalves

97           O mestre castrado: do pai ao significante mestre

Rogério Barros

 

INFAMILIAR
111 Coordenadas lacanianas sobre o infamiliar
Luiza Sarno

119 Dizer o indizível: um fazer
Flávia Cêra

125 Transfamiliar
Niraldo de Oliveira Santos

133 O ‘feminino’ infamiliar na literatura
Teresinha N. Meirelles do Prado

143 AMOR

145 De um berro, o Outro silêncio
Deborah Gutermann-Jacquet

161 Lol V. Stein – Um vestido que faz o corpo
Abe Geldhof

165 “Estou sofrendo de uma falta”
Sarah Birgani

169 PASSE

171 Telefone
Débora Rabinovich

179 Acender a sombra
Florencia F.C. Shanahan

189 PSICANÁLISE E UNIVERSIDADE

191 Uma clínica cínica… à contrapelo
Milena Rocha Nadier Barbosa

213 Plotino e a doutrina do Um no último Lacan
Mathieu Siriot

221 BIBLIOTECA

223 A leitura na experiência analítica: construções na análise
Aléssia Silva Fontenelle

235 APRESENTAÇÃO DE AUTORES

241 NORMAS DE PUBLICAÇÃO

Informação adicional

Peso 350 g
Dimensões 210 × 150 × 15 mm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “AGENTE 19”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *