A SUPERVISÃO (CONTROLE) NA FORMAÇÃO DO PSICANALISTA

R$ 40,00

“A supervisão não se confunde com o trabalho de construção do caso clínico. Um analista praticante pode se endereçar ao supervisor movido por uma dificuldade com o diagnóstico, dificuldade que, como se sabe, tem consequências sobre a direção do tratamento. Porém, segundo uma outra perspectiva, é possível dizer que a supervisão deve incidir sobre o supervisionando, sobretudo quando a posição subjetiva deste se apresenta em dificuldade para a leitura do caso e para a consequente produção do ato analítico“.

 

 

Em estoque

Comparar

Descrição

ÍNDICE:
Apresentação 7
Prefácio 11
Nota do autor 19
I. PRÉ-HISTÓRIA E HISTÓRIA DA SUPERVISÃO 25
A supervisão na correspondência de Freud com Fliess 26
Supervisão da análise pessoal 30
Supervisão da formação/construção teórica 36
Para que se supervisionar? 47
A supervisão na correspondência de Freud com Ferenczi 71
Sobre a contratransferência 74
IPA: da supervisão como formação à análise da contratransferência 78
Controle ou supervisão: discussão linguística ou conceitual? 81
II. LACAN: FORMAÇÃO E POLÍTICA DA PSICANÁLISE 83
Referências explícitas à supervisão em Lacan 85
Nos textos: a supervisão concerne à prática clínica e à instituição 86
Nos seminários: conduzir o rinoceronte ao sinthoma 99
Referências implícitas sobre a supervisão em Lacan 111

palavras chave: supervisão, clínica, controle, formação

Informação adicional

Peso 200 g
Dimensões 215 × 145 × 12 mm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “A SUPERVISÃO (CONTROLE) NA FORMAÇÃO DO PSICANALISTA”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *