A DROGA DO TOXICÔMANO

R$ 49,00

UMA PARCERIA CÍNICA NA ERA DA CIÊNCIA.

O enfoque psicanalítico das relações que o toxicômano estabelece com a droga situa-se no encontro de uma variada gama de problemas e impasses conceituais, em que o debate sobre sua delimitação como uma categoria clínica dotada de especificidade própria se destaca de maneira decisiva.
Palavras-chave: toxicomania, psicanalise, relicário, drogas, clínica.

Em estoque

Comparar
SKU: XXIIIEBCF055 Categorias: , Tag:

Descrição

SUMÁRIO

Nota do autor 9
Nota do autor à 2ª edição 11
Prólogo 15

I. DO SÍMBOLO À LETRA: O EFEITO PHÁRMAKON 23

Droga e discurso 24

Phármakon, o símbolo 28

Phármakon, o sintoma 32

Quando a letra se separa do símbolo 40

II. DROGA E MITO: SÍMBOLOS DA NATUREZA E TÉCNICA DO CORPO 49

Complexo xamânico do phármakon 50

Significante desencadeador e amplificador 53

Droga e sujeito xamanizante 56

III. DROGA E CIÊNCIA: VALOR DE GOZO NO MERCADO DO SABER 61

O conhecimento substancialista do phármakon 64

Cálculo da substância pelo sujeito da ciência 69

Excedente de gozo no mercado do saber 73

IV. A COCAÍNA E O DESEJO DE SUTURA EM FREUD 77

O mito energético da cocaína 78

Freud e a origem da categoria de toxicomania 81

A ambição de quantificação da cocaína 85

O fracasso do desejo de sutura 89

V. FREUD E O IDEAL DE CIFRAÇÃO DO GOZO 93

O príncípio único da toxina fliessiana 94

Cifrar a libido pelo ideal da ciência 98 

A trimetilamina decifrada 101

A toxicidade inerente da libido mitificada 107

VI. UM CASAMENTO FELIZ DIANTE DO IMPOSSÍVEL A SUPORTAR 114

A Unterdrückung tóxica 115

O mais-de-gozar como impossível da felicidade 118

Dimensão ética das construções substitutivas 122

O casamento feliz com a droga 127

VII. PÓS-FREUDISMO E A FUNÇÃO DESGENITALIZADORA DA DROGA 134

A desgenitalização da libido sexual 135

A droga não é a causa 139

Orgasmo farmacotóxico 143

O supereu solúvel no álcool 150

Justaposição kleiniana da toxicomania à perversão 157

VIII. LACAN E AS PARCERIAS CÍNICAS NA ERA DA CIÊNCIA 165

Não há conhecimento da experiência da droga 166

Mais-de-gozar particular como efeito da ciência 173

Parceria cínica na era da ciência 181

IX. VONTADE DE SER INFIEL AO GOZO FÁLICO 189

Curto-circuito do problema sexual 190

Ruptura com o gozo fálico 196

O toxicômano não é um perverso 200

Clínica da insubmissão ao serviço sexual 205CONCLUSÃO 215

Valor identificatório da toxicomania 216

Droga como produto da literalização da ciência 216

Os produtos de substituição diante do agente paterno 218

Ser infiel no casamento com o falo 219

Solução não fálica à construção do parceiro sexual 222

A inexistência do outro e o artefato da droga 226

Posfácio à 2ª edição 231

Notas 243

Informação adicional

Peso 300 g
Dimensões 210 × 140 × 15 mm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “A DROGA DO TOXICÔMANO”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *