Exibindo 37–45 de 45 resultados

AGENTE 19

R$ 50,00

[…] há algo a aprender com o fato de que o sentido
escape. Não escapa só porque sejamos tolos. A fuga
tem a ver com o que é o sentido. Escapar, fugir, é a
maneira de ser própria do sentido.

[…] parece-me que a aposta de Lacan neste texto é
dizer que a fuga do sentido, seu escapismo, é um
real. Podemos tocá-lo, mas não logramos sua fuga.
Há um real quando há resistência, algo impossível
de mudar. Associamos a ideia, o sentido de real, com
a imobilização, com estar em um ponto e não se mover.
Mas aqui, o que não muda é a fuga, a fuga é uma
coisa imóvel e inamovível: é um real. Parece-me que
o esforço de Lacan é pensar o real a partir da fuga,
dessa fuga. A fuga é o real do sentido. É a maneira
como experimentamos na linguagem o impossível
da relação com o sentido. Nós o experimentamos
através disto que não se capta, que não se deixa fixar.

[…]

[…] A fuga do sentido demonstra a função do “não-
-todo” na linguagem.

Miller, J.-A. Sobre a fuga do sentido (1994).

FORMACIÓN DEL ANALISTA – Un esfuerzo de poesía

R$ 65,00

Índice

Palabras preliminares

El psicoanálisis, ni útil ni fútil…
¿un esfuerzo de poesía?

Entre las redes de un poema, Leticia A. Acevedo
La utilidad primera, Nicolás Bousoño
La acción lacaniana, Walter Capelli
El lastre del padre, Cecilia Rubinetti
El psicoanálisis, ni útil ni fútil… ¿un esfuerzo de poesía?, Diana Wolodarsky
Conversación

Cuando el psicoanálisis se quita el lastre del padre
Inventar un truco para llenar el agujero en lo real, Daniela Teggi
Quitarse el lastre del padre: el padre como función, Luis Tudanca
Conversación

La grieta del goce
Intrusus, Karina Castro
Disparidad poética, Paula Husni
Un esfuerzo de poesía, Fabián Naparstek
Conversación

Del Dios padre freudiano a L/a mujer lacaniana
Del padre freudiano a la mujer lacaniana, Juan Mitre
Pasión por lo nuevo, Alicia Yacoi
Después del padre, el goce se escribe en femenino, Silvia Salman
Conversación

CREENCIAS

R$ 65,00

Índice

Prólogo
Paula Rodríguez Acquarone

Breve comentário a propósito de Antônio Machado
por Paula Gil

I

El Otro sin Otro
Jacques-Alain Miller

Lógica del cuerpo hablante en la civilización
Éric Laurent

II

Creencia, increencia y ateísmo: clínica de la creencia
Silvia Baudini

La orientación por lo real, no sin la creencia
Florencia Dassen

La grieta es una discordia que no es como las otras
Juan Carlos Indart

Las creencias en la experiencia analítica
Irene Kuperwajs

¿En qué creen los místicos?
Claudia Lazaro

Un ateísmo viable
Patricia Moraga

Sobre la creencia y la identificación
Silvia Ons

Clínica de la creencia
Gabriel Racki

Creencia… en el síntoma
Luis Tudanca

¿En qué creen los que no creen?
Paula Vallejo

Entrevista a Dalila Arpin
por Perla Drechsler

CARTEL, NOVAS LEITURAS

R$ 50,00

“Tenho o prazer e a honra de apresentar a vocês, leitores, a nova coletânea da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) sobre o cartel, que traz novas leituras aos interessados pela formação do psicanalista de orientação lacaniana […] Suas páginas reúnem valiosas contribuições sobre o tema, elaboradas por autores da EBP e de outras Escolas da Associação Mundial de Psicanálise (AMP), que se debruçaram sobre ele. São relatos de experiências sobre o “órgão de base”, aplicações variadas da “elaboração sustentada em pequeno grupo”, mostrando que essas formações coletivas são de um tipo muito particular.” (Do prefácio, Angelina Harari)

FAZER CAPUT

R$ 80,00

Esta publicação apresenta a conclusão de um ciclo de trabalho de 3 anos, em torno da invenção de um território lacaniano, o CAPUT, serviço pioneiro na Saúde Mental de Belo Horizonte, projeto de experimentação de uma nova tecnologia psicossocial; e de aplicação da psicanálise em um contexto novo, a clínica da adolescência em situação de vulnerabilidade psíquica e social com histórico de abuso de drogas.

Palavras chaves: psicanálise, adolescência, drogas, instituição, sintomas contemporâneos

ARQUIVOS DA BIBLIOTECA 15

R$ 45,00

Este número de Arquivos da Biblioteca traz uma novidade, a utilização do código Qr. Trata-se de um recurso que decidimos experimentar impulsionados por algumas razões, entre elas, a própria construção deste número da revista. A marca de registros oriundos do trabalho de preparação para o EBCF XXII e de conversações realizadas na Seção Rio, ganha relevo. Indo além da voz do texto, o leitor poderá experimentar uma travessia entre o plano físico e o virtual, alcançando outras margens.