Exibindo 25–36 de 94 resultados

Carta a Bernard Accoyer e à opinião esclarecida

R$ 32,50

Emenda 336 – Extraído do Jornal Oficial da Republica Francesa

AUTOR: Jacques-Alain Miller

OFÍCIO DO PSICANALISTA II: POR QUE NÃO REGULAMENTAR A PSICANÁLISE

R$ 60,00

 “FORMAÇÃO DO ANALISTA, LEI, INCONSCIENTE, ÉTICA DA PSICANÁLISE”

Esse livro é resultado do trabalho de luta contra a regulamentação da psicanálise, cujo início se deu no ano de 2000. São quatorze trabalhos das dezoito instituições que compõem o “Movimento Articulação das Entidades Psicanalíticas Brasileiras”, acompanhados de documentos importantes que fizeram parte desse processo, tais como cartas, resoluções, e outros registros. Quanto aos artigos, portanto, eles obedecem a algo inédito na história do movimento psicanalítico até então: orientações psicanalíticas institucionais diversas reunidas em torno de algo comum – manter a psicanálise fora dos ideais políticos e religiosos.

Essa batalha continua, e, tal como a formação do analista, parece que será permanente.

                                                                                                                                             Samyra Assad.

 

 

A CIDADE COM LACAN

R$ 50,00

Cinema / O feminino e literatura /Seus corpos e Mundos

A FORMAÇÃO DO PSIQUIATRA

R$ 50,00

O livro que tem como eixo a psiquiatria clínica, a psicanálise e a saúde mental, é dividido em três partes. A primeira, contém textos teóricos de diversos autores; a segunda, se consagrada aos testemunhos daqueles que viveram a experiência de terem sido – atuais e antigos – residentes e preceptores do IRS; e por último, temos os quadros dos formandos, ano a ano até 2018.

A vida psíquica do poder – Teorias da sujeição

R$ 34,99

Conciliando teoria social, filosofia e psicanálise de maneira bastante original, Judith Butler propõe aqui uma análise que já estava implícita em outros trabalhos seus, como Corpos que contam: sobre os limites discursivos do “sexo” e Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. A autora se vale de Hegel, Nietzsche, Freud, Foucault e Althusser para propor uma teoria da formação do sujeito que entende como sendo ambivalentes os efeitos psíquicos do poder social. Embora boa parte dos leitores de Foucault evite a teoria psicanalítica, e boa parte dos pensadores da psique evite Foucault, Butler busca aqui teorizar a relação entre o social e a psique como um dos mais dinâmicos e complexos efeitos do poder. Considerando a questão da subjetividade e da consciência de si, a autora faz uma investigação crítica sobre o processo de formação do sujeito que revela o sujeito consciente de si como paradoxo necessário; ela interroga como o poder produz subordinados e como estes vêm a se entender como tais.