Exibindo 1–12 de 23 resultados

1,2,3,4 TOMO I – LOS CURSOS PSICOANALÍTICOS DE JACQUES-ALAIN MILLER

R$ 169,00

Uma estrutura quadripartida é sempre exigida do inconsciente na construção de uma ordem subjetiva ”. Essa frase, extraída por Jacques-Alain Miller dos Escritos, orienta uma jornada esclarecedora pelo ensino de Lacan, seguindo uma continuidade inesperada ao invés de pontos de ruptura. O Lacan do significante e aquele que qualificou a lógica como a “ciência do real” se reúnem em uma fórmula de 1966: “o inconsciente procede da lógica pura”.

O curso traça um percurso, a partir de uma dialética articulada com a estrutura em torno de uma função de exclusão, passando por uma perfuração das modalidades que o lugar central do que não deixa de ser anotado, até que termina no impossível de verificar logicamente. , equivalente a “não há relacionamento sexual.” Este axioma decisivo, o reverso daquele que o fantasma aspira fixar, resulta de um percurso pelo que a escrita permite e pelas condições que ela exige. Também um passeio pelos lugares e modalidades por que passa o sujeito para dizer o que escapa a toda articulação em termos de verdade.

Assim, revela-se o aparato mínimo, necessário e suficiente para especificar a impossibilidade que está em jogo no caso da realidade. Miller destaca a estrutura quaternária das fórmulas de sexuação, revelando detalhes altamente iluminadores em sua construção.

CAUSA Y CONSENTIMIENTO

R$ 259,00

Resumo: Desde as primeiras linhas, este curso institui uma bússola: a orientação transferencial a Lacan. A sua perspetiva articula o tripé clínico, político e epistêmico, suporte da nossa prática, que evoca que a nossa ação é sustentada por uma ética que vai contra o hábito e a rotina, na medida em que valoriza a função do desejo decidido como efeito de um causa, o objeto a, que não pode ser explicado pela razão. Sua consistência é evidenciada sobre o fundo de uma descontinuidade. Se a lei é a continuidade, a causa introduz o heterogêneo. Causa e consentimento é um binário consistente que funda a fórmula “Somos sempre responsáveis por nossa condição de sujeitos” – pedra basal para o consentimento da posição subjetiva. Sua perspectiva clínica nos submerge em considerações que nenhum praticante deveria desconhecer. Conceitos como a responsabilidade do analista, o status da demanda e o papel das entrevistas preliminares encontram toda a sua importância neste curso. Destaca-se também o valor da interpretação, que não depende da aprovação do analisando, mas se baseia na expulsão do consentimento do sujeito quanto ao campo da estrutura, a fim de nos orientar na busca da causa, que é antes de tudo a causa do mal. É ela quem impulsiona a análise, como preâmbulo para mostrar a causa do desejo em seu laço com o gozo – condição necessária para que o trabalho analítico proceda à hystoerização do analisante. Texto: Oscar Zack Tradução: Ivone Maia

DEL SÍNTOMA AL FANTASMA Y RETORNO

R$ 179,00

Resumo: Este curso foi precedido por uma conferência diante do próprio Lacan no Encontro Internacional de Caracas. Foi um encontro que marcou um antes e um depois na conformação do Campo Freudiano. A busca de Miller é decididamente orientada pelo que, como praticante, ele busca obter em uma cura psicanalítica. Trata-se de ir mais além de “A instância da letra no inconsciente ou da razão desde Freud” a partir dos conceitos de objeto a e o campo do gozo. Não é por acaso que ele se serve do Freud da segunda tópica. Partindo da formulação princeps de conceber o final da análise em termos da travessia da fantasia, o curso é concebido tal e qual a direção da cura: do sintoma ao fantasma, com a promoção do objeto a no núcleo da elaboração. Desse modo, Miller nos apresenta o “Outro Lacan”. Se trata de por em funcionamento no fantasma as peças separadas do corpo que são os objetos a, e colocá-lo à prova no paradigma freudiano de “bate-se numa criança”. A fantasia rechaça que não há relação sexual, pois busca construí-la por meio do objeto. Porque isso? “A boa repressão neurótica também se baseia na Verwerfung, na foraclusão um significante. Portanto, devemos propor uma Verwerfung do significante unário que funda a psicose humana ”. Esta formulação luminosa de Miller vai antecipar uma clínica não estruturalista. Texto: Osvaldo Delgado Tradução: Ivone Maia

Esgotado

EL AMOR, AÚN. UNA LECTURA DEL SEMINÁRIO 20 Y SUS FUENTES ANTIGUAS

R$ 64,99

O leitor atento estará muito bem acompanhado por Carmen nessa compreensão sem entender tão rápido o que Lacan colocou como condição da formação do psicanalista. E assim você encontrará nestas páginas uma leitura sábia – uma leitura persistente, insistente, consistente, passo a passo – de um Seminário Lacan que deve ser abordado, mesmo que seja a primeira vez, sabendo que não se entende como pensamos entender, e sem querer entender muito rapidamente o que, no entanto, já sabemos.

Miquel Bassols

EL LUGAR Y EL LAZO

R$ 200,00

O Lugar e o Laço evidencia a promoção do sintoma como referência clínica em termos de sinthome (o qual responde à orientação para o real, que nomeia o fora de sentido), que põe em evidência o que Lacan tinha proposto como autonomia e prevalência do simbólico sobre o imaginário e o real, estabelecendo a homogeneidade dos três registros. Destacando que essa equivalência desperta do sonho estruturalista de uma ordem, um universo de regras. Então, ali onde se encontrava a ordem simbólica como armadura e referência do sujeito, se inscreve a expressão modo de gozar.
Uma ordem sintomática, em que o próprio sintoma é a regra que instaura uma tensão entre o sintoma-mensagem, ponto de partida do ensino de Lacan, e que, enquanto recalcado é interpretável, e o sintoma modo de gozar, referência de seu último ensino, que não é interpretável como tal.
Esta concepção segundo a qual a verdade é o Um e não o Outro, que prefere o real, que introduz a noção de lalíngua, que inclui a referência ao vivente, e que não se guia pelo Nome do Pai, conduz Jacques -Alain Miller neste curso a revisar de uma maneira comovente o que Lacan havia mostrado.

EL PARTENAIRE-SÍNTOMA

R$ 232,00

Resumo: O sintagma parceiro, escrita, sintoma, é o título composto do curso Jacques-Alain Miller ministrado em Paris nos anos 1997-1998. Embora os temas de cada um de seus cursos sejam caracterizados por uma descontinuidade, uma pontuação, um acento esclarecedor do ensino de Lacan, O parceiro-sintoma é o efeito direto do curso ministrado no ano anterior junto com Eric Laurent, intitulado “O Outro que não existe e seus comitês de ética. ” Nessas aulas, Miller examina de forma nítida e precisa a vida amorosa e as consequências clínicas de um mundo em que o Outro não existe e apresenta uma perspectiva original do fim da análise. O sintoma não é mais apenas uma disfunção decifrável por meio de uma substituição significante. O último ensino de Lacan mostra que mesmo sendo Unlust, desprazer, é também o retorno da pulsão e, portanto, é sempre interpretável como satisfação. Nessa perspectiva, sempre se goza do sintoma, ainda que seja perturbador. O gozo se apresenta como sintoma. Texto: autor não identificado Tradução: Ivone Maia

EL ULTIMÍSIMO LACAN

R$ 169,00

Resumo: “Para este curso (…) falo do primeiro Lacan, isto é, dos primeiros dez anos de seu ensino a partir de “Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise”. E falo também do último Lacan, isto é, do que começa a se desenvolver a partir do vigésimo seminário, Mais, ainda. No meio, há portanto, um segundo Lacan, que começa com Os Quatro Conceitos Fundamentais da Psicanálise. Mas vou acrescentar uma partição suplementar neste tipo de repartição. Dentro do último Lacan, temos que distinguir o ultimíssimo Lacan, que abre um campo no qual ainda não entramos realmente, ou pelo menos, cujo uso não é habitual para nós”.

EXTIMIDAD

R$ 220,00

Resumo: “Extimidad a palavra já se tornou corriqueira no campo da psicanálise lacaniana e começa a ser usada além dele. Nós a encontramos em periódicos como um nome comum daquilo que, sendo muito íntimo e familiar, converte-se ao mesmo tempo em algo radicalmente estranho. E é verdade que essa palavra diz muito bem em sua estranheza neológica de uma propriedade do sujeito de nosso tempo, um sujeito sempre exilado de si mesmo, que só parece encontrar seu ser mais íntimo no mais distante e deslocado dele. A palavra foi inventada por Jacques Lacan – aparece pela primeira vez em seu seminário sobre A ética da psicanálise em 1958 – e, ainda que usada poucas vezes ao longo do seu ensino, foi recuperada e reelaborada por Jacques-Alain Miller neste curso de 1985 que agora se publica. (…) Para o sujeito de nosso tempo, a extimidade se faz presente como um gozo que toma as formas mais variadas de seu sintoma. Esse gozo, tal como assinala aqui Jacques-Alain Miller, apresenta-se como “algo exterior, liberado de si mesmo, rechaçado da linguagem. Já não é êxtimo ao Outro, mas foracluído, e retorna no real.” O leitor encontrará assim neste livro, nova rendição do curso de Jacques-Alain Miller no qual seguem se formando várias gerações de psicanalistas, o modo como eles devem fazer presente a extimidade própria à psicanálise para estar à altura de seu tempo.” Miquel Bassols

Género, cuerpo y psicoanálisis

R$ 64,99

Indice

Agradecimientos
Prólogo | Angélica Marchesini

La cuestión trans en nuestra época
Edit Beatriz Tendlarz

Across de universe sin salir de Manhattan | Gustavo Dessal
Yo soy yo | Irene Greiser
Cuerpos trans | Alejandra Antuña
El ombligo de Lacan | Gerardo Arenas
Sueños y escritura | Andrea Cucagna
Comentarios clínicos sobre el caso “S” | Alexander Stevens
El acontecimiento Butler, una cuestión de escritura | Solana González Basso
Entrevista a Miquel Bassols

Lógica freudiana de la sexuación | Osvaldo L. Delgado
Cuerpos Trans | Paula Husni
Del fantasma de cambio de sexo al sinthome transexual | Jean-Claude Maleval
Fuera de Género | Silvia Salvarezza
Infancias trans, un nuevo modo de nominalismo |  Silvia Bermúdez
La clínica transgéneros |  Entrevista a François Ansermet
Por Edit Tendlarz
La elección inconsciente del género. Historia del género y el transgénero | Patricio Álvarez
El impacto de la época en los cuerpos. Lo que el sujeto trans enseña al psicoanálisis | Fabián Fajnwaks
¿Hacia un paradigma trans? | Margarita Álvarez
Ser sexuado en el siglo XXI: ¿empuje a lo Trans? | Blanca Musachi
Decisión inconsciente – Consentimiento de goce | Débora Nitzcaner
¿Qué hay de nuevo en las sexualidades? | Carolina Rovere
Una nueva clínica para el tratamiento del transexual | José Manuel Ramírez