Exibindo 1–12 de 20 resultados

1,2,3,4 TOMO I – LOS CURSOS PSICOANALÍTICOS DE JACQUES-ALAIN MILLER

R$ 169,00

Uma estrutura quadripartida é sempre exigida do inconsciente na construção de uma ordem subjetiva ”. Essa frase, extraída por Jacques-Alain Miller dos Escritos, orienta uma jornada esclarecedora pelo ensino de Lacan, seguindo uma continuidade inesperada ao invés de pontos de ruptura. O Lacan do significante e aquele que qualificou a lógica como a “ciência do real” se reúnem em uma fórmula de 1966: “o inconsciente procede da lógica pura”.

O curso traça um percurso, a partir de uma dialética articulada com a estrutura em torno de uma função de exclusão, passando por uma perfuração das modalidades que o lugar central do que não deixa de ser anotado, até que termina no impossível de verificar logicamente. , equivalente a “não há relacionamento sexual.” Este axioma decisivo, o reverso daquele que o fantasma aspira fixar, resulta de um percurso pelo que a escrita permite e pelas condições que ela exige. Também um passeio pelos lugares e modalidades por que passa o sujeito para dizer o que escapa a toda articulação em termos de verdade.

Assim, revela-se o aparato mínimo, necessário e suficiente para especificar a impossibilidade que está em jogo no caso da realidade. Miller destaca a estrutura quaternária das fórmulas de sexuação, revelando detalhes altamente iluminadores em sua construção.

CAUSA Y CONSENTIMIENTO

R$ 259,00

Resumo: Desde as primeiras linhas, este curso institui uma bússola: a orientação transferencial a Lacan. A sua perspetiva articula o tripé clínico, político e epistêmico, suporte da nossa prática, que evoca que a nossa ação é sustentada por uma ética que vai contra o hábito e a rotina, na medida em que valoriza a função do desejo decidido como efeito de um causa, o objeto a, que não pode ser explicado pela razão. Sua consistência é evidenciada sobre o fundo de uma descontinuidade. Se a lei é a continuidade, a causa introduz o heterogêneo. Causa e consentimento é um binário consistente que funda a fórmula “Somos sempre responsáveis por nossa condição de sujeitos” – pedra basal para o consentimento da posição subjetiva. Sua perspectiva clínica nos submerge em considerações que nenhum praticante deveria desconhecer. Conceitos como a responsabilidade do analista, o status da demanda e o papel das entrevistas preliminares encontram toda a sua importância neste curso. Destaca-se também o valor da interpretação, que não depende da aprovação do analisando, mas se baseia na expulsão do consentimento do sujeito quanto ao campo da estrutura, a fim de nos orientar na busca da causa, que é antes de tudo a causa do mal. É ela quem impulsiona a análise, como preâmbulo para mostrar a causa do desejo em seu laço com o gozo – condição necessária para que o trabalho analítico proceda à hystoerização do analisante. Texto: Oscar Zack Tradução: Ivone Maia

EL AMOR, AÚN. UNA LECTURA DEL SEMINÁRIO 20 Y SUS FUENTES ANTIGUAS

R$ 64,99

O leitor atento estará muito bem acompanhado por Carmen nessa compreensão sem entender tão rápido o que Lacan colocou como condição da formação do psicanalista. E assim você encontrará nestas páginas uma leitura sábia – uma leitura persistente, insistente, consistente, passo a passo – de um Seminário Lacan que deve ser abordado, mesmo que seja a primeira vez, sabendo que não se entende como pensamos entender, e sem querer entender muito rapidamente o que, no entanto, já sabemos.

Miquel Bassols

EL LUGAR Y EL LAZO

R$ 200,00

O Lugar e o Laço evidencia a promoção do sintoma como referência clínica em termos de sinthome (o qual responde à orientação para o real, que nomeia o fora de sentido), que põe em evidência o que Lacan tinha proposto como autonomia e prevalência do simbólico sobre o imaginário e o real, estabelecendo a homogeneidade dos três registros. Destacando que essa equivalência desperta do sonho estruturalista de uma ordem, um universo de regras. Então, ali onde se encontrava a ordem simbólica como armadura e referência do sujeito, se inscreve a expressão modo de gozar.
Uma ordem sintomática, em que o próprio sintoma é a regra que instaura uma tensão entre o sintoma-mensagem, ponto de partida do ensino de Lacan, e que, enquanto recalcado é interpretável, e o sintoma modo de gozar, referência de seu último ensino, que não é interpretável como tal.
Esta concepção segundo a qual a verdade é o Um e não o Outro, que prefere o real, que introduz a noção de lalíngua, que inclui a referência ao vivente, e que não se guia pelo Nome do Pai, conduz Jacques -Alain Miller neste curso a revisar de uma maneira comovente o que Lacan havia mostrado.

EXTIMIDAD

R$ 220,00

Resumo: “Extimidad a palavra já se tornou corriqueira no campo da psicanálise lacaniana e começa a ser usada além dele. Nós a encontramos em periódicos como um nome comum daquilo que, sendo muito íntimo e familiar, converte-se ao mesmo tempo em algo radicalmente estranho. E é verdade que essa palavra diz muito bem em sua estranheza neológica de uma propriedade do sujeito de nosso tempo, um sujeito sempre exilado de si mesmo, que só parece encontrar seu ser mais íntimo no mais distante e deslocado dele. A palavra foi inventada por Jacques Lacan – aparece pela primeira vez em seu seminário sobre A ética da psicanálise em 1958 – e, ainda que usada poucas vezes ao longo do seu ensino, foi recuperada e reelaborada por Jacques-Alain Miller neste curso de 1985 que agora se publica. (…) Para o sujeito de nosso tempo, a extimidade se faz presente como um gozo que toma as formas mais variadas de seu sintoma. Esse gozo, tal como assinala aqui Jacques-Alain Miller, apresenta-se como “algo exterior, liberado de si mesmo, rechaçado da linguagem. Já não é êxtimo ao Outro, mas foracluído, e retorna no real.” O leitor encontrará assim neste livro, nova rendição do curso de Jacques-Alain Miller no qual seguem se formando várias gerações de psicanalistas, o modo como eles devem fazer presente a extimidade própria à psicanálise para estar à altura de seu tempo.” Miquel Bassols

Indiscreto inconsciente

R$ 59,99

Indice

La ciudad, dividida
El ser de la política
El Estado
Hegelianos un poco
Capuletos y Montescos
El príncipe

La policía
La impresión del Estado
El hombre Hegel
Vigilados y castigados
La letra distraída
De una letra sin semblante
La policía sin Otro
Jean Genet
El gran burdel

La discreción
Sade
Estado uno
La discreción
Baltasar Gracián

El fascismo
Italia
Alemania
España
Fisonomía del fascismo

LA EXPERIENCIA DE LO REAL EN LA CURA PSICOANALÍTICA

R$ 261,00

Resumo: “Neste curso sobre “ A experiência do real na cura psicanalítica”, Jacques-Alain Miller percorre as distintas escansões no ensino de Jacques Lacan referentes à experiência do real. Ao longo desse percurso, Jacques-Alain Miller aborda conceitos fundamentais da prática psicanalítica como defesa, recalque, sintoma, gozo e pulsão, e em seguida, os seis paradigmas do gozo. Tais desenvolvimentos culminarão na noção de corpo vivo para a psicanálise, isto é, um corpo afetado pelo gozo. Se trata da incidência da língua no ser falante que deixam marcas no corpo, que o perturbam e que produzem sintomas”.

La Psicosis Ordinaria

R$ 159,00

El salvaje metropolitano se parece a un manual de métodos etnográficos, pero el recorrido por sus páginas pone de manifiesto que ese manual se desmiente a sí mismo como camino seguro y como recetario. Se parece a un manual porque ofrece algunos ejercicios, abundantes ejemplos y numerosas reflexiones sobre las formas estandarizadas por la etnografía para producir conocimiento empírico válido y genuino, en una realidad que, entre su primera y su segunda edición, se ha transformado profundamente. Esta segunda edición que publica Editorial Paidós –cuidadosamente revisada y ampliada por la autora– da cuenta de la natural sedimentación que toda obra de valor produce en el tiempo. Su lectura permite comprobar la vigencia de sus premisas epistemológicas y de las prácticas del trabajo de campo que aquí se describen. Rosana Guber parte de la premisa de que el conocimiento de los grupos socioculturales sólo es posible en la medida en que el antropólogo aprehenda los medios propios de dicho grupo para generar conocimiento. Pero además postula que es imposible alcanzar tal comprensión si el profesional no despliega, a partir de sus propias percepciones, elaboraciones teórico-abstractas y, de modo más central, nociones teóricas provenientes de su sentido común. Lejos de limitarse al ámbito de la antropología, este libro resultará de utilidad para todos aquellos que trabajan críticamente y a conciencia con grupos de personas, de quienes quieren aprender sus perspectivas, sus modos de vivir y de pensar: trabajadores sociales, sociólogos, cientístas políticos, comunicólogos, historiadores y geógrafos, ingenieros y arquitectos, planificadores gubernamentales, médicos, abogados, entre otros.