BIBLIÔ 8 – 2da Série

por

A- / A+

Editorial

Caros leitores,

Após o período de merecido recesso, a equipe das Biblioteca da EBP voltam a editar o Bibliô em suas três modalidades: Bibliô Informa, Bibliô Entrevista e Bibliô Referência.

Neste primeiro número de 2014, vocês poderão conferir não só as diretrizes determinadas pela Diretoria para as Bibliotecas, mas também que as nossas Seções e Delegações continuam mantendo viva a ideia de que Bibliotecas são lugares de pesquisa e leitura, mas também de intercâmbio com os saberes, contribuindo com suas ações para a formação do analista.

Assim sendo, nossas Bibliotecas seguem as diretrizes demarcadas pelos nossos Encontros nacionais e internacionais e organizam noites de debates em torno dos verbetes dos Scilicet preparado para o Congresso da AMP, que ocorrerá em abril, em Paris, e que visa discutir que o real no século XXI. Também começam a se organizar para divulgação e solidifi cação do tema do nosso XX Encontro Brasileiro do Campo Freudiano.

Em outros lugares, a Orientação lacaniana continua sendo mantida com o apoio das Bibliotecas com a leitura dos Cursos de Jacques-Alain Miller.

Em 2013, organizamos a atividade Una das Bibliotecas com a exibição e debate do fi lme Elena. Este ano duas atividades estão previstas com o mesmo objetivo. A primeira é o lançamento do livro de Joseph Attié, Mallarmé o livro: estudo psicanalítico, lançado no Brasil, pela Editora Forense, em 2013. O livro conta com a tradução de Abner Chiquieri e a revisão técnica de nosso colega, membro da EBP/AMP, Manoel Barros da Motta. Nossas Bibliotecas receberam um vídeo gravado pelo autor do livro, com tradução na voz do colega Paulo Siqueira, que norteará as noites de lançamento em nossos Sedes, como vemos anunciado abaixo.

É deste vídeo que extraímos algumas passagens que, por si mesmas, apresentam esse excelente livro. Attié alerta que leu Mallarmé, poeta considerado obscuro e difícil, tentando extrair de sua obra uma lógica, ligada à língua e a letra. Ao longo do vídeo, vai nos explicando que procurou ler um com as ferramentas do outro, não sem advertir que “Interrogar Mallarmé pelo viés da psicanálise de orientação lacaniana pode tornar-se tarefa difícil porque Lacan também é considerado muito difícil”.

Attié destaca a importância que ambos atribuem ao conceito de letra e o tratamento que Lacan dá ao signifi cante, como o que representa um sujeito para outro signifi cante, e que Mallarmé o tomava como fonte de sua poética, mas não como conceito.

Entre aproximações e distinções, Attié apresenta Herodias como o signifi cante mestre que representa Mallarmé em toda sua poesia, sua homenagem à mulher e à beleza. O Fauno, como o duplo libidinal do poeta, e Igitur, cuja tradução é donc, então, como uma conclusão lógica que não acontece.

O conteúdo do vídeo é de uma riqueza enorme que não conseguiríamos aqui traduzir e consegue despertar nossa curiosidade pela leitura do livro, tarefa para a qual nossos Diretores de Bibliotecas estão formando Cartéis e mobilizando a comunidade da nossa Escola.

Para concluir nosso Editorial, lembro a todos que nossa segunda atividade Una acontecerá em torno do tema do XX Encontro Brasileiro do Campo freudiano, que será sobre o Trauma nos corpos; violência nas cidades.

Nos próximos números divulgaremos o que nossas Bibliotecas estão organizando.

Boa leitura!

Tânia Abreu

BIBLIÔ 8 – 2da SERIE