Fibol

Em cooperação com a Fundação do Campo Freudiano, rede internacional daqueles que se consagram ao estudo, transmissão e a prática da psicanálise, tendo como referência o ensino de Jacques Lacan e o “retorno a Freud” que vem promovendo, a Federação Internacional de Bibliotecas de Orientação Lacaniana do Campo Freudiano (FIBOL), criada em 1990, impulsiona o desenvolvimento de Bibliotecas de psicanálise e disciplinas afins, favorecendo os intercâmbios entre elas.

A FIBOL é composta por uma rede de Bibliotecas das quais existe uma lista oficial. Uma Biblioteca “membro” da FIBOL está necessariamente aberta ao público, regularmente atualizada e suas atividades têm incidência na vida cultural e científica das cidades onde se localizam. São “aderentes” as Bibliotecas que, ainda pequenas em volume, tomam iniciativas análogas, tanto no que se refere à organização de suas coleções, como de estar aberta para a vida cidadã. As Bibliotecas “em construção” são iniciativas que subscrevem as finalidades da Federação, nutrem suas coleções de publicações doadas pelo Campo Freudiano e não têm ainda uma sede pública, ou se têm, sua direção é provisória. As Bibliotecas “de referência” são bibliotecas dependentes de instituições públicas ou privadas que mantêm laços de colaboração com as Bibliotecas da FIBOL.

Uma lista eletrônicas de divulgação de notícias, resenhas e leituras críticas, a lista Intercâmbios, mantém em contato virtual suas produções.

A FIBOL trabalha a biblioteca virtual do Campo Freudiano orientando a informatização que é compartilhada por cada Biblioteca.

Cada dois anos se celebram Encontros Internacionais de Trabalho: PIPOL na Europa, Encontro Americano do outro lado do Atlântico.

O Bureau FIBOL assegura a coordenação entre as Bibliotecas da rede e promove trabalhos conjuntos entre elas.

A FIBOL mantém uma revista, Colofón, editando um número a cada ano. Seu Comitê de Redação e sua sede respondem ao princípio de permutas compartilhado pelo conjunto do Campo Freudiano. De período em período  Colofón é editada simultaneamente em uma ou outra parte do Atlântico, em língua espanhola.

Uma Biblioteca de Orientação Lacaniana é uma das modalidades de trabalho do Campo Freudiano, o que importa em consequências:

A) A FIBOL há anos segue uma orientação política tendente a situar as Bibliotecas como elo prático, a partir do seu lugar de ação lacaniana, com os interessados em psicanálise e com a opinião esclarecida em cada cidade. Retoma a expressão de Jacques-Allan Miller, no sentido de dedicar-se à “educação freudiana” da população. Do mesmo modo que a Escola, uma Biblioteca não abre suas portas somente aos especialistas: acolhe tanto aos analistas como aos não analistas.

B) Tem uma política de aquisições que dá prioridade à psicanálise. As obras de Freud e Lacan constituem suas raízes e seu tronco, tanto no idioma que corresponda a sua situação geográfica, como em seus idiomas originais.

C) Tem uma política de aquisições que dá prioridade à psicanálise. As obras de Freud e Lacan constituem suas raízes e seu tronco, tanto no idioma que corresponda a sua situação geográfica, como em seus idiomas originais.

Logo se distinguem ramificações por cultivar. Por uma parte as referências às quais estas obras remetem diretamente, as que formam parte do fundo cultural clássico, além das que se devem, mais imediatamente, a seus contemporâneos; por outra parte, os trabalhos que elas tornam possíveis, que são devidos a seus alunos e discípulos, é o que nos conduz às ramificações mais acessíveis, tais como publicações individuais ou coletivas (revistas, livros, boletins, atas, etc.), surgidas das diferentes instâncias do Campo Freudiano, presentes e futuras. Por ultimo, as investigações e trabalhos das disciplinas que chamamos afins. O Campo Freudiano se inscreve em nossa atualidade, de modo que não pode dispensar-se de averiguar quais trabalhos são suscetíveis de instruir e esclarecer seu próprio domínio.

C) Polemizar, praticar a discussão e instruir-se em novas fontes são três direções que permitem manter o Campo Freudiano Por isso as Bibliotecas de Orientação Lacaniana não podem contentar-se com apenas dispor aos seus leitores a gama mais ampla possível de volumes, mas sim que haverão de ter todo empenho, em particular, na organização de apresentações, conferências, debates e quaisquer outras formas de ampliar o terreno das discussões, valendo-se das obras que irão surgindo, pondo assim em foco a leitura que delas permite fazer o Campo Freudiano.

D) O esclarecimento do que vem a ser a prática analítica, sem a qual sua finalidade e seus propósitos sofrem um menosprezo inevitável, passa por uma elaboração do que pode ser informado, não só das suas próprias vicissitudes, como também da época em que esteja requerida. As Bibliotecas são um instrumento indispensável para realizar este trabalho. Oferecendo documentação de primeira mão, sem a qual não se pode conseguir nenhum trabalho válido, quer seja de estudo ou transmissão, dispõe-se assim um tesouro ao alcance de todos.

E) O debate e a crítica são partes integrantes do registro de trabalho em intensão, e constituem uma das articulações entre este registro e o da extensão. O debate não deve reduzir-se a um assunto interno que só diga respeito à causa analítica, por e para ela mesma; mas que situe a dita causa em particular, em suas relações com a ciência, para, ainda que tendo-a como condição de possibilidade, distinguir-se dela e poder assim avaliar suas consequências. Isto quer dizer que o trabalho em extensão e o trabalho em intensão se tocam, sem que por isso se confundam.

FIBOLAssociação sem fins lucrativos, fundada por Judith Miller
Rua de Lille, 75007 Paris, França.

Tradução: Ricardo Cruz (EBP-Bahia)