Editorial

por Por Adriano Aguiar

A- / A+

Amarração 01:09:15A comunidade da EBP fervilha, nossos corpos se agitam e dão testemunho de nosso entusiasmo. Nos próximos dias estaremos todos juntos, em São Paulo, no VII Encontro Americano de Psicanálise de Orientação Lacaniana (ENAPOL). O tema do congresso – O Império das Imagens – faz referência à pregnância do imaginário em nossas vidas na atualidade, o que nos convoca a um esforço de elaboração e suas consequências clínicas. Será também um congresso onde certamente serão bem discutidas as transformações na clínica psicanalítica a partir da virada teórica do final do ensino de Lacan, quando este inverte sua perspectiva inicial, dando ao registro do Imaginário um lugar pleno de direito, junto ao Simbólico e ao Real.

Quando Ana Lucia Lutterbach Holck, diretora da Escola Brasileira de Psicanálise, me convidou para ser editor do DR, tivemos a ideia de fazer os editoriais a posteriori. Ao invés de anunciar cada texto, a cada vez, faríamos, de tempos em tempos, uma Amarração editorial retroativa, no tempo do Nachträglichkeit freudiano, recolhendo os principais sedimentos do que foi escrito até ali para relançar aos futuros autores.

Grande parte dos textos que publicamos foi atravessada por uma questão que mobilizou todo o país – a redução da maioridade penal. Neste quesito, a coluna Ação Dobradiça foi campeã. As entrevistas em vídeo, gravadas com Marcus André Vieira, Jésus Santiago e Rômulo Ferreira da Silva, revelaram não só a ótima qualidade técnica das filmagens, como mostraram também que os psicanalistas brasileiros têm um estilo próprio no manejo da teoria, sabendo adaptar para a realidade brasileira, com uma destreza impressionante, as ferramentas conceituais que Miller utilizou para analisar o que mobilizou a França, após o atentado ao Charlie Hebdo. “Em direção à adolescência”, texto de Miller que já nasceu um clássico – não apenas pela sua referência fundamental a um acontecimento marcante, mas também pela precisão teórica com que Miller lê a civilização atual -, nos serviu em muito (assistam de novo às entrevistas e percebam) para pensar este momento em que a maior parte da sociedade brasileira entendeu que deveria reduzir a maioridade penal.

“Cessa tudo o que a antiga musa canta. Só interessa o óbvio ululante. Vamos propor que o que não funciona para os adultos seja aplicado aos adolescentes?” (Luiz Eduardo Soares)

O tema do próximo congresso da AMP, no Rio de Janeiro, em 2016, também esteve muito presente no DR. Os artigos de Rodrigo Lyra e Ana Tereza Groisman, pela coluna Corpos Falantes, e os de Jésus Santiago e Ram Mandil, pela coluna Orientação Lacaniana, mostraram o fino esforço de elaboração teórica que vem sendo realizado na Escola Brasileira de Psicanálise sobre o tema do Congresso Mundial da AMP em 2016. Este debate continuará, e até o congresso, o DR abrigará grande parte da excelente produção dos membros da EBP sobre este tema tão díficil, que é o Corpo Falante. Fiquem atentos!

As conexões da psicanálise com o que é supostamente exterior ao seu campo também já deixaram alguns bons resultados aqui. A coluna Extimidades chama para si a tarefa de trazer para nós um pouco do que é produzido hoje em áreas conexas ao campo da psicanálise, e que tensionam a racionalidade psicanalítica, forçando nossos conceitos e práticas em direção às suas extremidades. O trabalho de Cleyton Andrade sobre Lacan e a escrita chinesa e a entrevista realizada com Francisco Bosco, no número atual, abrem caminho para a proposta com chave de ouro.

A arte também se fez presente no DR, a princípio insidiosamente, nos grafites belíssimos dos vídeos realizados por Ação Dobradiça, na editoração caprichada que Marcela Antelo realizou em Bibliô e no comentário de Ana Tereza Groisman a respeito do quadro Parede com Incisões à la Fontana, de Adriana Varejão. Pensamos que seria importante dar à arte um espaço ainda maior. Face a isso, convidamos nossa colega de Curitiba, Flávia Cera, para ser responsável por uma nova coluna, Plasticidades, inteiramente dedicada à Arte e Psicanálise, que estreou com uma excelente entrevista com o poeta André Vallias, no último número.

Para comemorar os 20 anos da EBP, um projeto lançado aqui no DR deve ficar para a história da EBP. São as vídeo-entrevistas que o Canal EBP, coordenado por Marcelo Veras, vem realizando sobre a história da Escola Brasileira de Psicanálise desde a sua fundação. Se você perdeu as duas primeiras entrevistas de Jorge Forbes contando como foram os primeiros encontros com Jacques-Alain Miller e recuperando os momentos que antecederam à fundação da Escola, corra para ver, pois nesta edição já temos mais um entrevistado: Bernardino Horne, que nos conta de seus primeiros momentos em Paris, após deixar a IPA, e se tornar um dos primeiros analisantes de Miller. Imperdível.

Neste novo número, mais uma novidade. O momento por que passa o nosso país nos convoca à reflexão sobre aquilo que somos. Uma nova coluna, chamada BRASIS, será coordenada por Sérgio de Castro, que assumirá o desafio de fazer a Orientação Lacaniana conversar com intelectuais e artistas que se dedicaram a pensar as raízes da formação cultural brasileira. Gilberto Freyre, Darcy Ribeiro, Roberto da Matta, Eduardo Viveiros de Castro, Mário e Oswald de Andrade, Antonio Candido, Glauber Rocha, Sérgio Buarque de Holanda, entre outros, estarão aqui conosco. Não percam!

Tudo isto vem se refletindo em um grande interesse dos leitores. A página da Escola Brasileira de Psicanálise no Facebook passou a ter uma média de 100 novas curtidas por semana desde que começamos a publicar os textos do DR por lá. Atualmente, estamos com 9.738 seguidores. Tivemos mais de 13 mil visitas ao site do DR até o momento, com leitores que nos acessaram não apenas no Brasil, mas também em países onde a psicanálise de orientação lacaniana não tem tanta penetração, como EUA (485 acessos), Rússia (324 acessos), China (122), Japão (58), além, é claro, daqueles países onde já estamos mais presentes, como França, Argentina, Espanha e Itália. O nosso desejo de levar a psicanálise para a cidade se estende. Que nos espalhemos assim. Boa leitura!